segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

DENTRO DE CAEN-Diorama

9th Brigada de Infantaria, 3th Divisão de Infantaria Canadense. Cidade de Caen, Normandia, França, de 7 a 9 de Julho 1944.



INTRODUÇÃO:

A cidade de Caen está apenas a 12 km da costa do Canal da Mancha. O Rio Orne, que passa através da cidade, desemboca no mar. Em 1944 era a capital da região do Calvados. Também possuia uma grande área industrial na margem oriental do Orne, que era ocupada pelas grandes usinas siderúrgicas nos subúrbios de Vaucelles e Colombeles.


Através de Caen passava também uma boa rede de estradas pavimentadas e linhas de transporte ferroviário que iam na direção oeste, para a península do Cotentin e na direção leste, para o porto de Havre, o Rio Sena e Paris. Estrava claro que a rede de rodovias e ferrovias que a cidade possuía eram vitais para os planos aliados, no seu avanço para o interior da França a partir das praias de invasão.


HISTÓRICO:
A tomada de Caen era tarefa do I Corpo Britânico(3th Div.Inf.Britânica, 59th Div.Inf.Britânica e 3th Div.Inf.Canadense) e iniciando-se a 7 de Julho, a ofensiva foi bem difícel. Na frente canadense, a 9th Brigada de Infantaria liderava o avanço. O ataque prosseguiu no decorrer do dia seguinte em meio às ruínas das vilas e aldeias nos arredores de Caen, que eram defendidas pelo 25th Regimento Panzergrenadier SS. Os alemães contra-atacaram com tanques, mas foram contidos pelos AC dos canadenses. A tarde do dia 8, voltaram os Waffen SS a atacar, mas esbarraram em fogo forte e tiveram que retroceder.


No setor canadense de ataque, o Stormont, Dundas e Glengary Highlanders foi o primeiro batalhão a entrar na cidade. A luta continuava intensa. Já nos subúrbios de Caen, o próprio Kurt Meyer arranjou alguns Panteras e um punhado de granadeiros e conseguiu deter o ataque canadense. Ele mesmo foi visto entre as ruínas, tal como um lobo solitário, com um panzerfaust na mão, pronto para "caçar" qualquer blindado aliado que encontrasse em seu caminho.....


A situação dos alemães em Caen era desesperadora e mais tarde foi dada a ordem para que a linha alemã recuasse para a margem oposta do Rio Orne. Os remanescentes do 3/26thReg.Panzergrenadier SS foi o elemento de retaguarda da 12th Divisão Panzer SS.


Para os canadenses que avançavam cidade a dentro, no dia 9, ainda havia firme resistência vinda das SS, mas não era tão pesada quanto a dos dias anteriores. Um esquadrão do 7th Reg. de Reconhecimento penetrou pelo centro da cidade, para alcançar alguma ponte sobre o Orne. Uma das pontes foi encontrada intacta, mas estava bloqueada por entulhos e coberta por fogo inimigo, vindo da margem oposta.


Assim, desde o Dia-D e após 33 dias mais tarde do que o previsto no plano original, a cidade de Caen estava em mãos aliadas. Os subúrbios de Vaucelles e Colombeles com suas fábricas situado na outra margem, continuava alemã e fortemente defendida e somente seria rompida após a Operação Goodwood...mas isso já é outra história de outro diorama.........(!)


EXPLICATIVO DA CENA:


Encontrei a imagem desta fotografia de época, foi a que serviu de inspiração. A foto parece que identifica os arredores da grande igreja de St-Etienne que juntamente com o entorno do Hospital Bon Sauveur, formava uma "ilha de refúgio" onde prédios e boa parte da população foi poupada da destruição. O canhão de 6libras (57mm) é da 3th Div.Inf.Britânica e os shermans pertencem ao 1th Batalhão do Royal Norfolk Regiment em 10 Julho 1944. Observem os capacetes MkII da guarnição do AC.


Como reconhecimento pessoal da contribuição canadense a WWII, elaborei este diorama, representando uma tropa da 3th Div.Inf. no centro de Caen: Um canhão de 6libras, está diante das ruínas de uma padaria (boulangerie) em posição para cobrir um cruzamento de ruas da cidade. Um 25pdr. rebocado por um Quad passa por alí, para levar a peça de artilharia para atirar nos alemães que ficaram na outra margem do rio. Mais infantaria começa a chegar para ocupar a cidade.


Nesta foto temos uma visão completa do diorama. Um dos bons recursos que se tem ao utilizar o método de compor um diorama na diagonal é a de melhor utilizar os espaços vazios que surgem quando usamos este tipo de composição. Exemplo disso foi aproveitar o canto "morto" e colocamos alí um pequeno e antigo monumento de alvenaria, onde adicionei algumas placas de trânsito. Além de ajudar na decoração da cena, também as Road Signs (Verlinden) colaborou para situar a cena naquela cidade francesa, dando ao conjunto um melhor realismo.


RUÍNAS:

Utilizei um modelo em gesso da Historic Dioramics, de um prédio de 2 pavimentos em ruínas e bastante danificado por tiros e explosões. O destaque do prédio vai para a sacada, bem detalhada. Foi pintado numa cor escolhida para que destacasse o efeito visual deste bonito modelo de prédio. As placas comerciais Verlinden, foram cuidadosamente selecionadas para ajudar na autenticidade do cenário.

QUAD TRACTOR:

O caminhão 4X4 "Quad" era o trator padrão da Real Artilharia de Campanha, usado para rebocar os canhões e o limber de munição. O kit da tamiya foi pintado direto, sem modificações. Usei acrílicos tamiya e o washing foi com óleo raw umber e black. O "CH" no início do serial do veículo é usado nas viaturas do exército canadense.


O Canadá pertencia à Commonwealth britânica, portanto a organização, equipamento, armamento, veículos e sistemas de marcas táticas são as mesmas daquela usadas nos regimentos do exército britânico. A folha amarelo-ouro sobre um fundo quadrado azul é o simbolo que identifica os veículos pertencentes ao 2th Corpo Canadense. Já o fundo vermelho, é próprio das unidades do 1th Corpo Canadense, que por aquela época dos combates na Normandia, estava operando na Itália.


Os decais para a decoração do veículo, foram selecionados de acordo com a autenticidade histórica. O número 43 na cor branca pode indicar que este veículo faz parte de um regimento de artilharia de uma divisão de infantaria....no meu caso serviu bem para a 3thDiv.Inf.Canadense. O "AA" branco sobre um fundo quadrado azul e vermelho, é o simbolo tático da Real Artilharia e identifica que este canhão pertence à Tropa 1, da 1th Bateria de um regimento de canhões rebocados.


BRITISH 25PDR. FIELD GUN:

Este kit da tamiya foi montado direto da caixa. A única modificação foi que adicionei as lonas que cobrem a boca/quebra-chamas do canhão e a culatra da arma, que devem ficar cobertas durante o deslocamento da peça, ficando assim essas partes da arma protegidas da sujeira e poeira.


O 25pdr. era um canhão-obuseiro, um daqueles híbridos que desempenhava bem nas duas funções. Para que isso fosse possível, a munição usada era a do tipo conhecido como de carregamento separado, em que a granada era colocada na culatra e empurrada para o interior dela, a seguir o cartucho, fechando-se o bloco da culatra à mão. Este sistema foi o escolhido porque permitia ao artilheiro variar a carga de projeção no invólucro do cartucho, conforme a missão de fogo a ser cumprida.


LIMBER DE MUNIÇÃO:

A denominação oficial do limber de munição "Trailer, Artillery Nr.27" para o reboque que transportava a munição contendo 32 granadas e seus respectivos cartuchos em bandejas (2 tiros por bandeja) e o acesso a munição se dava através de 2 portas na traseira do limber, todo fabricado em metal. Não esqueci das balizas de pontaria, no seu colorido bem característico. No teto do trailer, aparecem 2 bandejas de munição, juntamente com pá, picareta e outros acessórios....


BRITISH 6PDR AT GUN:

Este kit é da Zvezda. Adicionei um quebra-chamas na boca do tubo do canhão, uma vez que somente a versão usada na campanha européia, pelos exércitos da Commonwealth, é que possuía quebra-chamas. Os artilheiros do AC vieram da caixa de sobressalentes do modelista e o chefe de peça, encontrei no kit do 25pdr da tamiya. A figura usava bermudas, já que o set de figuras que acompanha o kit estão configurados para serem usados no deserto. Então tive que fazer umas pernas-de-calça (com massa putty) para que a figura do oficial com o binóculo, ficasse com o uniforme mais adequado. Este AC de 57mm, disparava uma granada de 2,85kg e podia penetrar uma blindagem de 81mm a 450metros.


A guarnição é de 5 homens. Apenas 3 estão juntos ao canhão e os demais, um com um cigarro na mão esquerda, está afastando os cabos rompidos de energia elétrica, para que não se enrolem em alguma parte da composição de artilharia que passa pertinho deles e o outro soldado está na pausa para o chá....(!)


FIGURAS:

Todas as figuras dos infantes em marcha são do kit 35223 da tamiya, com poucas modificações na postura. A dificuldade foi apenas em ajustar braços e mãos na dupla que carrega a caixa de munição.


O atirador de Bren também é do kit da tamiya. Pintei o uniforme num acrílico marrom do Exército Britânico, apesar de a cor mais correta é o bronze-green para os canadenses. O equipamento do cinto de malha é do modelo 1944, embora o tipo ainda comum fosse o do modelo 1937. Ambos vêm com grandes bolsas que servem para transportar os carregadores de munição para a metralhadora Bren. Óleos diluídos em terebintina foi para pintar as faces e mãos.


As figuras num diorama devem interagir entre si. Os infantes da direita, foram posicionados de tal maneira, para que pudessem transmitir uma idéia de deslocamento e estão a observar o reboque de artilharia passar por eles.....


*Clique sobre a imagem para visualizar melhor.


Diorama, Texto e Fotos, por Fábio Cunha.

Agradeço a sua Visita!

sábado, 20 de novembro de 2010

SCHWERPUNKT CAEN-Diorama

No começo de Julho de 1944, haviam sinais de que os alemães estavam promovendo a substituição das suas esgotadas divisões panzers por descansadas unidades de infantaria.
Os aliados não tinham conseguido capturar Caen ainda no "Dia-D" e desde então, os alemães passaram à reforçar as defesas da cidade, com os seus acessos transformados num forte sistema defensivo.
As aldeias nos arredores de Caen foram convertidas em fortins: Panzers entricheirados, canhões anti-carro autopropulsados, morteiros, ninhos de metralhadoras.....
Na defesa dessas localidades, foram colocadas tropas de infantaria reém chegadas, onde a 16th Divisão de Campo da Luftwaffe, foi uma delas e na defesa de Le Bisey, estava apoiada por blindados da 21th Divisão Panzer.
Na noite de 7 de Julho, a 3th Divisão de Infantaria Canadense apoiada por blindados da 33th Brigada Blindada, diante de um nada agradável fogo de morteiros e metralhadoras e o ribombar dos canhões anti-carro, mantinham o seu avanço rumo a LeBisey. A batalha prosseguiu no amanher do dia seguinte, em meio as ruínas da aldeia.
A 16th Divisão da Luftwaffe sofreram muitas perdas devido a um bombardeiro aéreo aliado, que produziu forte abalo moral nas tropas de um dos regimentos da divisão. Depois de uma dura luta de infantaria e com muitas baixas, o que restava da divisão, tiveram que deixar Lebisey.
Todos nós que gostamos de militaria sabemos que o segredo de um bom modelismo de dioramas é a imaginação. Para elaborar um diorama que descrevesse uma situação que poderia ter ocorrido nos arredores de Lebisey, procurei montar uma composição que ficasse completamente ambientada na reprodução de um bocage típico: Formado de um pequeno sítio, cercado de densa vegetação, que também recobria os muros de pedras às margens da estrada, o que deixava as casas de fazenda praticamente semi-ocultas nesse tipo de terreno.

A principal estrutura, a que praticamente forma o "fundo" do cenário deste diorama é um modelo em gesso fabricado pela Historic Dioramics.

O outro kit selecionado deste fabricante é o ítem HD-21 Muro Normandia I, que atende muito bem à idéia proposta para esta cena. Os muros HD-22 e HD-23 também são outra boa alternativa que ajudam a criar a impressão de terreno compartimentado, comum no bocage normando.
O problema de se criar um ambiente de fazenda, é selecionarmos, vários pequenos ítens....e pintálos separadamente: Rodas de carroça, antigos carrinhos de mão, ferramentas diversas, pilhas de lenha......enfim, é necessário uma boa quantidade deles. Detalhes que enriquecem o cenário. O mercado oferece alguns desses ítens, mas outra boa solução caseira é de contruir "scracht" alguns deles, tais como a roldana.....
Detalhes da lateral do prédio. Esculpido no estilo de construção muito comum de ser encontrado na normandia. Os detalhes adicionais, foram a inclusão da roldana e seu suporte, além das tampas de janelas, facilmente feitos com plasticard. Observe como os acessórios de fazenda contribuem para dar mais realismo à cena.

Visão superior da mesma lateral da casa de fazenda, mostrando que como é um kit em ruínas, nada melhor que fazer um telhado destruído! Para aqueles que não possuem muita habilidade em telhados, esta foto é uma boa referência de "como-fazer".....a dica é: palitos de fósforos, plasticard, supercola e paciência...muita paciência.
Prédios em ruínas consomem mais tempo de modelismo: É necessário também dar atenção na parte interna do prédio, adicionando detalhes tais como, estrutura de madeira do telhado, pisos, móveis, quadros de parede e entulho...muito entulho.....
...é claro, todos esses ítens devem ser bem selecionados e colocados no cenário de forma leve...sem exageros...o interior não pode ficar muito "pesado", carregado de acessórios. Acho que as fotos ajudam a explicar um pouco melhor. Cuidado em especial deve ser dado à pintura.
Outra parte do kit do prédio em ruínas que precisa ser adicionado um pequeno telhado: Incluí também uma calha rapidamente feito a partir de uma fina lâmina de alumínio e supercola. O cano que desce a calha é uma vareta plástica obtida de uma árvore de kit: cortada e lixada e depois moldada para que se ajuste no devido lugar com o auxílo do calor de uma vela. O portão é plasticard.
Visão na diagonal da parte frontal da casa de fazenda, mostrando os detalhes do beiral do telhado, feitas em plasticard, também usado na confecção das tampas de janelas. Para colar o plasticard, usa-se a mesma cola dos kits.
GERMAN 7.5cm PAK 40/1 Auf GESCHUTZWAGEN LORRAINE SCHLEEPER (f). Esse destruidor de tanques foi construído usando-se o Pak 40 de 75mm, montado sobre um transportador blindado francês, capturado pelos alemães, quando da queda da França, em Maio de 1940.
Apesar da blindagem ser muito fina, a conversão proporcionou ao armamento uma melhor mobilidade. Nesta construção em "scracht" o kit básico do Lorraine é da RPM, o tubo do canhão e mecanismo de disparo é da Tamiya e as placas blindadas da estrutura superior, frontal e detalhes internos tais como os cofres de munição foram feitas de plasticard.
As figuras dos tanquistas utilizei os de resina da Warriors.
Observe que a tactical marking do veículo foi pintada à pincel com tinta a óleo. A divisional marking é decal. As marcas identificam o veículo como sendo da 21th Divisão Panzer. No modelismo de militaria, as marcas sobre os veículos são detalhes que dão mais realismo aos modelos, apesar de sabermos que nem todos os veículos alemães tinham as Divisional/Tactical
Signs pintadas nos veículos.
Utilizei o set de figuras da DML/DRAGON 6084 e o oficial com calças tropicais é um remanescente do kit DML/DRAGON 6036. Os tanquistas são Warrior. Na pintura, as figuras receberam tinta acrílica Tamiya e o acabamento final foi com óleos.

Autoria do Diorama, Texto e Fotos: Fábio Cunha.
Agradeço a sua Visita!
*Clique na imagem para visualizar melhor.

sábado, 13 de novembro de 2010

BUILDING MILITARY DIORAMAS VOLUME VII

No Volume 7 desta série de livros que nos ensinam a como fazer dioramas militares, apresentam outros 10 artigos que cobrem essa interessante arte de como fazer dioramas e vinhetas de assuntos militares:
* LIBERATION: Cena tranquila em uma cidade francesa. Observar as características do ambiente típico europeu.
* TEA TIME: É uma cena pós Dia-D. Aparece um dos raros bunkers defensivos construidos na região da Normandia, utilizando a torre de um tanque Panzer III (VK.3001 Panzerstellung). Um desse tipo de bunker foi empregado na Praia Omaha, no WN68 perto de Saint Laurent. Existiram apenas 6 construídos. Na Muralha Atlântica, 4 foram empregados em posições defensivas e os 2 restantes, fizeram parte do sistema de bunkers da Muralha Ocidental. Diorama bem interessante.
* D-DAY. 6Th JUNE: Nesta cena temos uma LCM MkIII desembarcando um tanque Sherman numa das praias da Normandia. Boa dica de como fazer água.
* HEART SUGERY: Cena com um Sturmtiger.
* BLOODY TARAWA: Um grupo de marines americanos atacando um bunker japones. Legal.
* THE EQUALIZER: Comparando os tanques Pantera com o Pershing.
* SHORT BREAK: Mais outra cena ambientada na normandia, desta vez temos um Pantera.
* LETS GO: Espetacular cena de ação onde temos um meia lagarta avariado.
* PANIC: Ambientado em Berlin'45 aparece um Pantherstellung.
* STALINGRAD 1943: Vinheta com um kubelwagen destruído.
Altamente recomendado. Vai servir de inspiração para qualquer modelista seja ele experiente ou mesmo iniciante.
Contém mais de 90 fotos coloridas em alta definição. 48 páginas. Texto em ingles.
Consulte nossos preços: historicdioramics@hotmail.com
* Clique na imagem para visualizar melhor.
Agradeço a sua visita!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

COMBATES EM CAEN - Normandia 1944

A partir da segunda semana de junho, pós Dia-D, os combates dos alemães entre britânicos e canadenses, estabeleciam que a cidade de Caen iria se tornar o foco das principais ações no Setor Britânico. A maioria dos intensos combates entre blindados, em junho e início de julho, aconteceram nas proximidades dessa cidade normanda.
Diorama Schwerpunkt Caen: 16th Divisão de Campo da Luftwaffe.
Caen e seus arredores era uma região decisiva para uma estratégia de sucesso, tanto para os germânicos quanto para os aliados e a sua posse determinaria o desenrolar da campanha em solo francês.
O 2th Exército Britânico tinha a expectativa de capturar Caen ainda nas 24 horas do Dia-D...muita pretensão dos ingleses desejarem que isso fosse possível. O fato foi que, por mais de um mês, eles tiveram que combater não somente a aguerrida infantaria alemã, pela posse da cidade, mas combater diante da precença das forças panzer, tecnicamente superiores aos blindados aliados. Os combates por Caen foram os mais intensos e sangrentos entre as forças blindadas, durante toda a Campanha da Normandia.

Diorama A Queda de Caen: Canadenses da 3th Divisão de Infantaria.
A estratégia aliada, dirigida pelos seus generais, procuravam manter a força blindada alemã nas vizinhaças de Caen, enquanto os americanos abriam caminho do lado oeste da cabeça-de-praia, vindos de St.Lô.

Diorama A Queda de Caen: Canadenses finalmente no centro da cidade.
As divisões panzers queriam ficar perto de Caen. Evitavam o quanto fosse permitido, de se envolverem no terreno compartimentado da região do Bocage, onde era o setor americano.
Os alemães na normandia tinham suas atenções principalmente voltadas para o terreno em torno de Caen , porque qualquer rompimento das defesas naquela posição, levariam as forças mecanizadas aliadas para o melhor terreno ao sul desta cidade, os campos mais planos e abertos, na direção de Falaise.
Os generais alemães estavam convencidos que a contra ofensiva sobre a cabeça-de-praia aliada era perfeitamente possível, e o setor de Caen era perfeito por ser a única área onde um ataque mecanizado na direção das praias podia ser viável.
Além disso, os alemães estavam otimistas que assim que as divisões panzer, que já se encontravam em curso para reforçar a normandia chegassem, eles poderiam desencadear o tão ansioso contra-ataque na direção das praias de invasão e assim eliminar o desembarque aliado.
As fotos que aparecem nesse artigo são de dioramas de minha autoria e tratam de uma série de trabalhos sobre a Campanha da Normandia. Os combates por Caen serão abordados em maior profundidade, quando da apresentação desses dioramas, futuramente a serem publicados neste blog.

Autor do Texto e Dioramas: Fábio Cunha.
Escala 1/35.
*Clique na imagem para visualizar melhor.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

BUILDING MILITARY VEHICLES VOL.II

Neste segundo volume da série, contém 48 páginas com mais de 100 fotos completamente coloridas e com alta definição, cobrindo os seguintes modelos na Escala 1/35:
* DML/DRAGON U.S T-26 Pershing,
* Tamiya U.S M-20 Armored Car,
* Tamiya U.S M-8 Greyhound,
* Tamiya German Sturmtiger,
* Tamiya Kubelwagen,
* Academy/AFV U.S M-18 Hellcat,
* Conversão de um BergePanzerIV,
* Conversão de um Jeep do S.A.S,
e ainda um artigo que ensina como fazer um terreno para modelos de veículos militares.

Gostou do livro? Peça on-line: historicdioramics@hotmail.com
Agradeço a sua Visita!!!